April 25, 2016

Hoje fala-se de liberdade.

A verdade é que nos últimos tempos tenho andado a explicar que revolução foi esta aos meus meninos. É a matéria que estão a dar justamente agora. E eu gosto particularmente de explicá-la.

Quando foi a minha vez de andar na escola já achava interessante aprender as ditaduras. Não só do nosso país, mas em geral. Não me perguntem é porquê, porque não sei dizer. Hoje em dia, dá-me igual interesse explicá-la aos mais novos. Talvez por não saberem de facto o que foi a nossa história, talvez por lhes fazer falta. Muitos deles acham complicado como se podia viver assim, sem liberdade de expressão. É normal, não é? Hoje em dia até há liberdade a mais. Mas isso são outros quinhentos.

Se antigamente por um lado ninguém podia dizer nada e todos tinham de andar ao sabor dos gostos de um só homem, hoje em dia, andamos todos uns contra os outros. A empurrar-nos uns aos outros por gestos e por palavras. Nem damos conta, mas andamos a fazê-lo. É triste, mas é a verdade. Faz-me confusão como é que foi possível aceitar e viver assim, como antigamente se vivia, mas faz-me precisamente a mesma confusão ver que hoje em dia todos alegamos ser livres e não olhamos a meios para praticamente nada. Tudo é encarado como normal. Conquistámos a liberdade no dia 25. É nossa. Não foi fácil chegar a esse dia, não, não foi. Mas abusar da liberdade é não saber ganhá-la. É não saber tê-la. 

Todos somos livres, mas todos vivemos em sociedade. A nossa liberdade de expressão não pode tornar-se em exageros, em falta de educação e sobretudo não pode significar que todos podemos dizer ou até mesmo fazer o que bem nos passa pela ideia. Ser livre também é saber ser livre. Saber aproveitar o voto que passámos a ter. A eleger. É fácil erguermos a nossa mão e dizermos que este dia foi importante, mas saber aproveitá-lo é outra conversa. 

E sim, hoje é dia de liberdade. Hoje é dia de recordar que muitos sofreram, que muitos passaram por guerras e por lutas. Mas não nos podemos esquecer que não é só conquistar, é preciso saber manter. É preciso tornar esta nossa sociedade numa sociedade melhor. E os que são mais novos, mais pequenos, é neles que devemos pensar e é sobretudo a eles que os princípios devem ser passados. Mas bem passados, por favor.


No comments:

Post a Comment