September 14, 2015

Sobre perder peso #17

Lá vou eu voltar a tocar num assunto que me incomoda, num assunto que já abordei neste blog uma carrada de vezes e sobretudo um assunto que julgo que nunca serei capaz de colocar de lado - o peso. 

Ontem após o jantar, lá estava a dar na televisão o novo programa do Peso Pesado Teen. Não o vi todo, nem um terço dele vi, mas o que vi bastou-me para sentir uma necessidade de falar um pouco sobre o pouco que me passou pelos olhos. Não vale a pena "baterem" porque a minha opinião vai ser sempre esta, talvez por ter tido peso a mais, embora não tanto peso como o destes jovens, marcou-me e pelas más razões. Hoje em dia, não tenho esse peso, como já tantas vezes o disse, mas continua a incomodar-me ver a banalidade com que se fala de peso, ou com que se aceita que alguém seja obeso e não se faça nada ou simplesmente se lance um sorriso. A mim transtorna-me e irá transtornar-me a vida toda. Liguei a televisão e ao ver uma jovem dizer que via muita televisão, e uma mãe se não estou em erro dizer que quando lhe apetecia uma empada lá ia buscar, deixou-me mesmo incomodada, e até comentei em voz alta com o meu namorado como é que era possível dizer aquilo assim, como se fosse outra coisa qualquer, como se não prejudicasse a saúde da filha. 

Prejudicava, tenho a certeza que sim. Se não se sentisse mal não estaria agora a tentar mudar, e quem diz esse caso, diz todos os outros que lá estão. Todos querem mudar, todos se querem sentir melhor a nível de saúde e consigo mesmos. Estamos cada vez a fazer questão de mostrar que todos podemos ter tamanhos diferentes, vestir números do mais pequeno ao maior deles todos, tentamos que não hajam dedos apontados e criticas destrutivas, mas a saúde deveria estar acima de tudo e ser obeso não dá saúde a ninguém. Não faz bem a ninguém. E aí de quem me tente dizer o contrário. Mais cedo ou mais tarde os problemas vão surgir, mais cedo ou mais tarde não se controlará tudo. É claro que podem fazer a vida normal ou deveriam puder, mas muitos sofrem e sofrem calados. 

E não pensem que me incomoda só porque vi na televisão. Enquanto estava no dentista à espera para arrancar o meu rico siso, estava lá um menina de 5 anos que já se notava o excesso de peso que tinha para a idade e sabem o que vi? Uma lata de ice-tea (passo a publicidade), nas mãos da pequena. E a pequena bebe-a toda com a sua palhinha. Acham que não me incomodou? Incomodou mesmo. Não custava nada não lhe dar outra coisa saudável para beber. Eu sei o que senti quando passei pelo excesso de peso, sei que muitos passam por isso desde novos e que hoje em dia apesar da tentativa de lutar por todos diferentes, todos iguais, tenhamos o peso que tivermos, enquanto adolescentes, se torna complicado. Se existe quem viva bem com o seu peso? Certamente que sim, e isso é uma grande ajuda para que vençam na vida! Mas não nos esqueçamos dos que não vivem assim, dos que sofrem. 

Gostava que existisse mais equilíbrio, que não se banalizasse, que não se fechasse os olhos e se lutasse por mais saúde e auto-confiança. Excesso de magreza está errado, e excesso de peso também não trará saúde a nenhum dos níveis. 

7 comments

  1. Eu também tenho peso a mais e um distúrbio alimentar (binge eating). Sei o que é passar por muito daquilo, embora nunca tivesse chegado à obesidade. De facto, acho que cabe aos pais ter um papel mais activo. Os meus tinham, mas não adiantava de nada. O problema é que muitas vezes estes problemas têm uma raiz emocional e não se resumem apenas a preguiça ou gulodice. Enquanto essa raiz emocional não for esmiuçada e tratada (com psicoterapia), o problema nunca ficará bem resolvido, mesmo que se chegue ao peso ideal.

    ReplyDelete
  2. Joana, nem imaginas as perguntas que me surgiam ao ver o raio do programa. Eu já fui gordinha, e já tive no outro extremo, na anorexia nervosa. No periodo da anorexia nervoso, posso dizer que comia normalmente só que o corpo nao tratava dos alimentos portanto era como se não tivesse comido. Mas as desculpas que ouvi no programa por parte dos pais incomodaram-me "Ela refugiava-se muito no quarto e nunca vi" - como assim? a miuda passou 16 anos fechada no quarto? - "Ele gosta muito de comer, e como mãe não o vou negar" - posso ser muito radical, mas se eu visse que o meu filho estaria a ficar naquela situação por comer demasiado entao se calhar era parar de levar chocolates e cangalhadas dessas para casa pelo menos não?

    ReplyDelete
    Replies
    1. Oh Andreia, primeiro que tudo deixa-me dizer-te que não imaginei mesmo que tivesses passado pelas duas fases. Quando começamos a falar achei que estavas/estás com um peso normal, pelo menos é o que as fotografias me diziam e dizem! Não consigo imaginar-te diferente do que vejo, mas eu senti o mesmo que tu... Como é que é possível existirem pais a dar desculpas esfarrapadas daquelas? E eu vi uma mãe sorrir pelo menos, do género "que engraçado". A mim deixou-me completamente em fúria, não sei como é possível... É quase sentença de morte. Ela gosta de comer, então pronto deixa-a comer até rebentar... Eu era incapaz. Como viste, vi uma pequenina assim no dentista, e fiquei mesmo aterrada na cadeira... Os pais estão cada vez mais distantes da realidade dos seus filhos!

      Delete
    2. Olá Joana,

      Agora já estou com o peso normal, apesar de em situações de stress ou mais cansativas, me vou abaixo com recaídas da anorexia. Desculpas como "Coitada/o gosta de comer", opah também eu e tu gostamos de comer, mas não é preciso comer um pacote de 1 litro de gelado sozinha, ou uma frigideira com 1kg de carne sozinha credo! É assustador ouvir estas desculpas...

      Delete
  3. Eu também vi o programa e vi-o até ao fim. Partilho da mesma opinião.
    Pior que uma latinha de ice-tea é ouvir uma criança de 10 anos pedir à mãe um prato de feijoada às 9h da manhã porque iria participar numas actividade e depois só teria tempo para comer lá pelas 13h. Obviamente que qualquer mãe que tem um pingo de juízo não atenderia ao pedido do filho, mas como não era o caso, assim o fez. Um belo prato de feijoada para a criancinha às 9h da manhã. Obviamente que a criança de que falo era obesa (era porque isto é algo que já se passou há muitos anos e hoje em dia o rapaz está no seu peso ideal depois da mãe passar imenso tempo com ele em nutricionistas).

    Deixo o link do meu blogue: http://blogueinstantaneo.blogspot.com/

    ReplyDelete
  4. Bem, concordo completamente contigo. Irrita-me a banalidade com que se olha para um dos maiores problemas da sociedade, um problema que traz centenas de problemas de saúde atrás dele, e irrita-me como continuamos a lidar com a situação e a dizer "coitadinho, deixa o menino comer". Sem dúvida os pais precisam de ser educados a nível alimentar para cuidar dos filhos da melhor maneira. Obviamente não o fazem por querer mal aos filhos, mas acabam por escolher sempre os caminhos mais fáceis e tentar fazer-lhe a vontade...

    ReplyDelete
  5. Concordo imenso com o que disseste. Eu sou completamente contra se maltratar ou fazer uma pessoa sentir-se mal pelo simples facto de ter peso a mais mas acho que, atualmente exagera-se na forma como se protege as pessoas com excesso de peso. Parece que é um tabu e que não se pode repreender uma pessoa pelo facto de estar a pôr em risco a sua vida devido aos seus hábitos alimentares. É oito ou oitenta.
    E, como contaste, acho muito triste quando são os próprios pais a contribuir para os maus hábitos alimentares dos filhos.

    mrsokapi.blogspot.com

    ReplyDelete

Latest Instagrams

© Joana. Design by Fearne.