March 27, 2015

A pílula mata (ou não) II

Ontem, após trocar menos de meia dúzia de comentários no primeiro post que fiz sobre este tema com uma enfermeira, senti novamente uma forte vontade de pegar no assunto. 

(Para quem não leu o primeiro post, fica AQUI)



De acordo com a ideia que já tinha na minha cabeça, esta notícia que assola grande parte das mulheres e que poderá estar relacionada com a pílula, não estará apenas relacionada com a mesma. 

É claro que é mau o facto de assistirmos a números, que, para nós, mulheres são elevados no que diz respeito a tromboses, mortes, entre outros. Mas, não podemos culpar somente o uso diário que fazemos das nossas pílulas. Apesar de tomar uma pílula de baixa dosagem, existem muitas mulheres que tomam pílulas de alta dosagem e por si só deverão ter conhecimento (tanto através do médico, como através da bula) de que essas pílulas de alta dosagem são mais "fortes" digamos assim. E que por essa razão mexem mais com as nossas hormonas. Porém, existem uma data de factores que na minha opinião poderão facilitar que hajam desgraças desta ordem. 

Vejamos por exemplo, uma pessoa que faça a toma regular de uma pílula de alta dosagem (esquecendo nomes e/ou marcas) e que na altura do verão decida não fazer a pausa mensal e tome durante três meses a sua pílula seguidamente. Será que essa mesma pessoa saberá o mal que está a fazer ao seu organismo? Na minha opinião, que vale o que vale, essa pessoa está a privar o próprio organismo de algo que é normal. Repito: normal. Quer queiramos quer não, faz-nos falta. Apesar de controlarmos tudo e mais alguma coisa (ou tentarmos) com os métodos que decidimos usar, devemos fazer as pausas certas, devemos deixar que o processo seja o mais próximo do natural, ou seja, sem fármacos pelo meio a passear no nosso organismo.

Quero com isto que, nós também podemos ajudar a fins devastadores e com grandes consequências para nós e para o nosso corpo. O facto de fumarmos, de bebermos, de termos excesso de peso ou até mesmo obesidade (a qualquer nível) podem facilitar o efeito devastador de uma pílula de alta dosagem. Compreendem? Eu não sou médica, nem enfermeira, mas tento raciocinar ao máximo em questões deste género. E vejo que podemos ter a nossa culpa no cartório. 

É claro que para ajudar à desgraça, a maneira como a saúde no nosso país anda a ser gerida não nos traz grandes benefícios. No meu caso, que tenho um bom médico de saúde, foram-me mandados fazer exames a uma data de coisas antes passar para a toma da pílula. Mas isso é porque ele não poupa em exames. Porém, conheço casos de que isso não acontece da mesma forma. Imaginem que têm na vossa família casos de familiares com má circulação, ou com qualquer outro tipo de antecedente a que devem prestar particular atenção. Primeiro o vosso médico pode não saber, e aí devem avisá-lo. Caso ele saiba, espero que ele seja responsável e vos alerte e faça os respectivos exames. 

Por isso, mais uma vez, calma meninas. A culpa não deverá ser só da pílula. Eu não posso afirmar, mas também não posso negar. Esta a minha opinião sobre o assunto e com um pedaçinho do que falei com a "tal" enfermeira. Tentem acalmar-se, e não deixem de tomar automaticamente a vossa pílula.


7 comments:

  1. Tenham em atenção a notícia que publiquei aqui: http://atualidadesbyclaudia.blogspot.pt/2015/03/noticias-wtf-9.html

    ReplyDelete
    Replies
    1. Como foi dito na publicação, por vezes, a mulher pode ter antecedentes de saúde que contribuem para acontecimentos desta natureza. Ela pode ser atleta, pode não fumar, mas pode estar geneticamente predisposta a apresentar niveis de colesterol elevados. A pilula é constituida por hormonas, que elevam ainda mais os valores de colesterol. Isto por si só é razão para o surgimento de tromboses :\
      Não sou da opinião que devemos apontar logo o dedo a um só caso isolado. Devemos ter um olhar mais abrangente e colocar todas as hipoteses possiveis.
      Contudo, acho bem que este fármaco seja examinado para descansar mais as pessoas. Até porque com estas notícias, a própria venda do mesmo irá por água a'baixo. É preciso acreditar que serão tomadas medidas. De certeza que o assunto será encaminhado e resolvido de alguma forma.
      A pílula não mata. Continuo a ser desta opinião e vou mantê-la. Apenas tem desvantagens como tudo na vida tem ;)

      Delete
    2. Boa escolha teres atualizado o assunto :) É importante desmistificar certas coisas! :)

      Beijinhos :)

      Delete
  2. Tema muito interessante, gostei muito!
    http://asidiotasdoseculoxxi.blogspot.pt/ dá uma olhadela no meu blog e deixa-me a tua opinião. Beijinhos

    ReplyDelete
  3. Eu por acaso nao tomo ja ha anos. :)
    claudiapersi.blogspot.ca

    ReplyDelete
  4. Bom saber. Mas por acaso sempre tive boa relação com a minha pílula, no sentido em que nunca me afetou muito para além de quando paro de tomar.

    x

    ReplyDelete
  5. Quando comecei a tomar a minha pílula, o meu médico de família mandou-me fazer exames a tudo, até uma ecografia. Sempre que preciso tomar mais 1 semana, no fim noto logo uma diferença horrível! Dores e mais dores. Imagino se fosse como aquelas mulheres que tomam uma vida inteira a pílula, sem pausas, porque não querem ter o período.

    ___

    http://nuagesdansmoncafe.blogs.sapo.pt

    ReplyDelete