September 02, 2014

Um amor nunca vem só

E eu que gosto tanto deles. Não gosto nada. Amo-te a ti. E a ti também. Acho que é mais certo assim. É bom dizer às pessoas o quanto gostamos delas. E é bom quando eles se juntam. Não pode haver maior do que este. O amor de sangue, é sempre o de sangue. E depois do que nos corre nas veias, vem aquele que nos faz acelerar o coração e faz o sangue correr pelo nosso corpo todo e que nos aquece como se estivéssemos a tocar no fogo. 

Haja o que houver, sei que vou dar-te a mão sempre meu pequenino. Seja em pensamento, seja quando te puder tocar. Hei-de estar lá sempre para o que der e vier. Para ti. Para te agarrar e para te dar um carinho.

Haja o que houver, sei que vou querer dar-te sempre a mão, meu amor, mas não deixes que haja de tudo. Deixa que haja apenas o bom. E que o mau, não seja assim tão mau, que sejam só mal entendidos e discussões que se esquecem, que se resolvem. Concordarás tu comigo? Eu sei o que quero... sei que te quero a ti na minha vida. És tu. E não quero que haja outro. 

São amores diferentes, e é bom saber que sem nenhum dos dois poderia ser realmente feliz.


Para o meu A e para o meu J.

No comments:

Post a Comment