November 19, 2009

Não sei do que falas

Não sei o que estás a tentar dizer-me. Nem tão pouco sei o que queres que pense. Não sei o que tens andado a fazer durante este tempo todo, este tempo, em que dou por mim a pensar em tudo e em nada. Porque vida? Podes-me dizer o que queres de mim? Eu não percebo a tua fala. Não percebo que força é essa que tentas dar-me e depois me retiras. Vida, porque és assim? Porque é que tentas que eu pense em algumas coisas que não era suposto. Porque? Não queria fazer tantas perguntas, como me vejo obrigada a fazer. Mas não tenho outra escolha. Tu complicas tudo, tu baralhas as cartas todas, como se fosse um baralho em que tudo precisasse de estar bem envolvido. Não é preciso. Não te incomodes. Nesta altura, prefiro que me digas logo, que não me faças esperar. Já chega de incertezas, já chega de duvidas, já chega de estar parada. Chega de estar a espera, e de não ver "nada". Chega de tudo o que um dia eu não deixei que chegasse. Agora, quero tudo. Agora, preciso de tudo. Vida, eu não sei do que me tentas falar. Vida, eu não sei tão pouco do que falas tu. Não sei o que era suposto descobrir por entre estes rumos mal traçados que me dás e me dizes entrelinhas: corre agora, e descobre o final. Vida, eu não sei do que falas. 

1 comment:

  1. "Chega de tudo o que um dia eu não deixei que chegasse. Agora, quero tudo. Agora, preciso de tudo."

    tinha saudades desta escritora :')

    ReplyDelete